A “casa” do Papai Noel

0
539

Fátima Fernandez20-DPP-DEZ-TGMoradora de Perdizes, na época do Natal espalha pelo apartamento uma legião de Papais Noéis.

 

Fátima Figueiredo Fernandez sempre viveu e morou pela Pompeia e Perdizes e é empresária da região. Ela tem esse hábito de transformar o apartamento onde mora em um alegre espaço. “Claro que o mais importante nesta época é comemorar o nascimento de Jesus Cristo, mas os Papais Noéis deixam a minha casa mais animada e feliz”. Um cantinho da sala é reservado para um Menino Jesus que pertenceu à sua sogra. O presépio também não poderia faltar.

“É uma tradição que me foi passada pela minha mãe, Olga. Na minha infância ela sempre nos incentivou a decorar a nossa casa. Eu sigo a tradição com prazer.” Dona Olga tem 85 anos. Para ela, a alegria das visitas, que vêm ver ou conhecer a turma de Noéis, é a sua recompensa, afirma.

Ela não sabe o número exato de figuras que tem. “E sempre acabo trazendo mais a cada ano. Seja em alguma viagem, presente de amigos e parentes ou por andanças pela Rua 25 de Março”, explica. Tem diversos tamanhos, modelos, animados ou não. Desde peças com alguns poucos centímetros e outras que ocupam uma das poltronas da sala de estar. Eles – os Noéis – estão tocando instrumentos em uma banda, tomando banho em banheira, ou simplesmente nos saudando com um típico “hô-hô!”

E esse ‘espírito de Natal’ no apartamento de Fátima não fica apenas na sala de estar ou de TV. Muitos cantos da moradia ganham seu toque. A cozinha, além dos ímãs da geladeira, os conjuntos americanos, canecas, tijelas, guardanapos, têm decoração de Natal. Até o lavabo recebe todos os ‘apetrechos’ da época: vai desde a saboneteira, à capa da tampa do sanitário, ao papel higiênico. “As visitas acham o máximo!”, conta ela sobre a reação das pessoas.

Antonio, o marido, e as filhas também se deixam envolver pela tradição de Fátima. “Chego a ficar com saudades quando, no início de janeiro, a decoração é desmontada. Nesta época de Natal, a casa fica mais alegre!”, conta ele, que lembra que Fátima faz o mesmo com a casa na época da Páscoa e nas festas juninas. “Mas o Natal é especial!”, diz.

Este ano, em particular, Fátima está notando que é pouca a decoração de Natal em casas, condomínios e lojas. “Acho que fazer essa comemoração é um modo de alegrar as pessoas. E para combater a crise, sempre digo: tire o ‘s’ e ‘crie’!” (GA)

 

fatimaffernandez@gmail.com

 

Fotos – Tiago Gonçalves

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA